Ter uma tabela de frete pronta e bem preparada, favorece o fluxo operacional da empresa de transportes, já que ela traz vantagens como:

  1. Entrega de cotações mais rápidas para os clientes;
  2. Diminui o tempo de resposta e aumenta as solicitações de serviços de frete;
  3. Adoção de preços compatíveis com a média existente no mercado;
  4. Facilita a análise dos resultados da empresa;
  5. Gera mais agilidade para a equipe da transportadora.

Experimente
o SimplesCTe

Emita CTe online, MDFe e CIOT no automomático e em segundos, pelo computador ou celular.

Não precisa instalar nada, basta acessar e usar.

Este formulário será enviado para a EQUIPE DE VENDAS que dará início ao seu teste grátis do sistema.

E como se chega aos valores mínimos da tabela de fretes? Veja a seguir.

O que considerar para montar uma tabela de frete?

O cálculo para se chegar aos valores mínimos da tabela de frete devem levar em conta os custos fixos dos caminhoneiros e transportadoras.

Além disso, também algumas variáveis como o número de eixos do caminhão e a distância percorrida para a entrega em questão. Para que a tabela de frete seja precisa, deve-se levar em conta alguns fatores. São eles:

1. Características da carga

Define se as mercadorias são leves, pesadas, frágeis, se a carga é solta ou paletizada, dentre outros fatores.

2. Modelo de veículo

A tabela de frete considera as diferenças do veículo, desde aqueles específicos para cargas leves com entrega rápida, até um caminhão de vários eixos, próprio para cargas pesadas.

3. Prazos de entrega

Nesse caso, o modelo do veículo também influencia no cálculo. Isso acontece porque veículos mais leves podem oferecer uma velocidade de entrega menor do que os veículos pesados. Por isso, cada veículo deve ter um valor específico para este item.

4. Cubagem

É a relação entre o peso da carga e o espaço físico que ela ocupa. À partir de seu cálculo (Comprimento x Altura x Largura), chega-se ao volume, ou seja, a quantidade de metros cúbicos que a carga ocupará. 

5. Combustível

O preço do combustível varia constantemente, portanto é uma variável impossível de controlar no Brasil. Assim, é necessário que esse custo seja constantemente atualizado na tabela de frete a fim de evitar erros de cálculo do frete.

6. Taxas e impostos

O impostos podem variar de acordo com o local de entrega e o valor da carga. São eles: Ad Valorem, ICMS, ISS, taxa de restrição de trânsito, dentre outros.

7. Distância percorrida

É o principal fator de determinação do custo de frete, tendo em vista que é à partir dele que pode-se calcular o custo do pedágio e custo do combustível da prestação de serviço.

Taxas que influenciam na tabela de frete

As taxas abaixo, quando aplicáveis. também devem ser incluídas no cálculo do frete para evitar prejuízos. Veja quais são elas:

1. Ad Valorem

É uma porcentual que pode variar de acordo com o tipo de mercadoria transportada. Essa taxa incide sobre o valor da nota fiscal e geralmente é utilizada quando a carga transportada possui alto valor financeiro. Ela serve para cobrir os custos com a contratação de seguro. 

2. GRIS

Trata-se de uma taxa relacionada a prevenção de roubos. Através dela, cobra-se um percentual de, no mínimo, 0,3% sobre o valor da nota fiscal.

3. Taxa de Restrição ao Trânsito (TRT)

Caso o local de entrega possua restrição quanto à circulação de veículos em determinados horários, essa taxa serve para cobrir qualquer custo extra. Normalmente é cobrado um percentual que pode chegar até a 20% sobre o valor do frete original.

É comum que essa taxa seja inclusa no valor do frete quando a entrega é feita em regiões metropolitanas, pois é muito provável que no percurso o veículo acabe passando por regiões com restrições de transito.

4. Taxa de dificuldade de entrega (TDE)

A Taxa de Dificuldade de Entrega é gerada quando uma demanda inesperada impacta todo o processo do transportador. Ela pode ser cobrada em situações como:

  • Mercadoria enviada fora do horário comercial, gerando custo com horas-extras;
  • Necessidade de mais de um profissional para carregamento, descarregamento ou entrega;
  • Recebimento de mercadoria em diferentes quantidades, por ordem de chegada;
  • Tempo de carga/descarga que excede o normal;
  • Condições diversas que possam ultrapassam o custo operacional previsto da operação.

Muitas empresas de transporte seguem a orientação da Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística (NTC & Logística), que indica o piso de 20% ou um valor mínimo de R$ 20 de TDE.

5. Taxa mínima

É um valor cobrado para cargas muito abaixo do peso normal, principalmente quando o valor cubado também é baixo. Para não sair no prejuízo, as transportadoras podem estabelecer uma taxa mínima para os serviços prestados.

6. Pedágio

Valores cobrados pelos governos estaduais e municipais para a circulação dos veículos nas rodovias. As taxas variam de acordo com o percurso e a quantidade de eixos do veículo.

Resumindo, dentre todos os fatores de cálculo da tabela de frete, os que mais pesam nos custos do frete são o valor da mercadoria, algumas necessidades específicas como os locais de difícil acesso, a incidência de ICMS, a abrangência das regiões de atendimento da transportadora e o prazo de entrega da mercadoria.

Veja também: 

Como montar uma tabela de frete

Agora que você já conhece os itens que compõem o preço do frete, vamos aos passos para criar sua tabela:

A) Calcule o frete peso

O frete peso é a tarifa calculada com base no peso da mercadoria. Para se chegar ao valor do frete, multiplica-se o valor da tabela pelo peso da mercadoria ou pela cubagem (quando o volume que a mercadoria ocupa no veículo é maior do que seu peso em si).

B) Defina o frete valor

Como você viu acima, o Ad Valorem é calculado com base no preço da mercadoria em nota fiscal, principalmente no transporte de itens muito caros. A fórmula é:

Frete valor = Valor da carga em nota fiscal x Percentual Ad Valorem

C) Adicione tarifas extras ou fixas

Dentre as taxas que a transportadora pode adicionar, estão impostos e pedágios, mais:

  • Taxa de despacho;
  • Taxa serviços especiais, como agendamento de carga/descarga;
  • Taxa de restrição do trânsito (TRT);
  • Taxa de dificuldade na entrega (TDE).

Esperamos ter ajudado você a entender um pouco mais sobre a tabela de frete e seus benefícios. Se ficou com dúvidas, deixe um comentário. Se este conteúdo foi útil pra você, considere se inscrever na newsletter gratuita logo abaixo.

 

Gostou dessa matéria?

Inscreva-se na newsletter gratuita e receba novos conteúdos no seu e-mail!

programa de parcerias SimplesCTe

Deixe um comentário