GNRE é a Guia Nacional de Recolhimento de Tributos Estaduais, um documento obrigatório nas operações de vendas que forem realizadas entre diferentes unidades da federação. A Guia tem relação direta com o Imposto sobre Movimentação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e a Substituição Tributária (ST). Ela é utilizada para recolhimento do imposto retido pelo contribuinte substituto nos casos em que houver um acordo celebrado entre os estados envolvidos.  

Vale lembrar que a Substituição Tributária (ST) é o regime onde a responsabilidade de quem deve recolher o ICMS acaba sendo diferente daquela pessoa que realizou a venda. Dessa forma, quem deve pagar o imposto acaba sendo substituído por outro contribuinte. A incidência da ST começa no momento em que a mercadoria sai da origem e, por isso, a cobrança desse tributo é feita antecipadamente. 

Então, já que as vendas para outros estados estão sujeitas à Substituição Tributária e, cada estado tem suas próprias regras de cobrança do ICMS, a GNRE é uma ‘guia de âmbito nacional’ que facilita e também garante o pagamento correto desse imposto para o estado que, de fato, deve recebê-lo.

Como surgiu a GNRE

A ideia de criar a Guia Nacional de Recolhimento de Tributos Estaduais (GNRE)  começou devido às críticas dos estados em relação à partilha do ICMS. Os governadores alegavam que o Governo Federal sempre recebia uma quantia maior do que os estados que estavam diretamente envolvidos nas operações. 

Com o novo modelo de partilha entrando em vigor, a mudança começou a funcionar gradualmente, com o auxílio da Tabela DIFAL. Em 2016, por exemplo, 40% do ICMS era passado para o estado de destino e os outros 60% ficavam com o estado de origem. À partir de 2019, o ICMS passou a ficar 100% com o estado de destino da mercadoria.

A GNRE foi instituída pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (CONFAZ) através do Artigo 88 do Convênio SINIEF 06/89 e também consta no Convênio ICMS 93/15, sendo que este último entrou em vigor em 1º de janeiro de 2016.

Em 2010, o Convênio SINIEF 06/89 recebeu o acréscimo do artigo 88-A, no qual foi instituída a GNRE Online, que tem a mesma finalidade, mas pode ser emitida eletronicamente.     

Quem deve emitir GNRE?

Como vimos acima, a GNRE é o documento utilizado pelos contribuintes nas operações interestaduais para recolhimento de impostos devidos a um determinado estado, mas que são recolhidos em outra unidade da federação.

Assim, quem emite a Guia Nacional de Recolhimento de Tributos Estaduais (GNRE) é a empresa que vende um produto para outro estado. Isso é o que vai desencadear o que se chama de “antecipação de ICMS”. 

Quem paga GNRE: remetente ou destinatário?

Afinal, quem deve ser o responsável pelo recolhimento dos impostos constantes na GNRE? Saiba que isso depende de cada situação, ou seja, o pagamento da GNRE pode ser feito tanto pelo remetente quanto pelo destinatário

Para esclarecer de vez essa dúvida, a Emenda constitucional 87 de 2015 estabeleceu o seguinte:

  • Se o destinatário for contribuinte do ICMS, é ele quem deve recolher o imposto, pagando a GNRE;
  • Se o destinatário NÃO for contribuinte do ICMS, é o remetente quem fica obrigado a recolher o imposto, efetuando o pagamento da GNRE.

Vejamos o trecho desta EC:

Art. 1º Os incisos VII e VIII do § 2º do art. 155 da Constituição Federal passam a vigorar com as seguintes alterações:

(…)

VII – nas operações e prestações que destinem bens e serviços a consumidor final, contribuinte ou não do imposto, localizado em outro Estado, adotar-se-á a alíquota interestadual e caberá ao Estado de localização do destinatário o imposto correspondente à diferença entre a alíquota interna do Estado destinatário e a alíquota interestadual;

a) (revogada);

b) (revogada);

VIII – a responsabilidade pelo recolhimento do imposto correspondente à diferença entre a alíquota interna e a interestadual de que trata o inciso VII será atribuída:

a) ao destinatário, quando este for contribuinte do imposto;

b) ao remetente, quando o destinatário não for contribuinte do imposto;

Quando é necessário emitir GNRE nos transportes?

Provavelmente sua transportadora realiza diversas operações que se iniciam em um determinado estado, mas são destinadas a um outro estado. 

Como o transporte interestadual está sujeito às regras da Substituição Tributária, é preciso recolher o ICMS do destino. Por isso, a transportadora fica responsável pelo recolhimento da Guia Nacional de Recolhimento de Tributos Estaduais (GNRE)

Este documento deverá acompanhar as Notas Fiscais das mercadorias durante o transporte. Caso a mercadoria transportada esteja em trânsito sem o recolhimento da GNRE, poderá ser retida nas barreiras estaduais de fiscalização.

Como emitir GNRE na transportadora?

Aqui está mais uma questão que sempre gera dúvidas, e que vamos esclarecer:

Se a transportadora que emite o CTe está prestando o serviço de transporte para um consumidor final, ela deverá recolher o ICMS para o estado de destino através da GNRE. 

Veja como saber se a prestação de serviço de transporte é destinada a um consumidor que NÃO é contribuinte de ICMS:

  1. O destinatário do serviço de transporte também é o tomador no CTe;
  2. O tomador é considerado NÃO contribuinte quando ele não for localizado na lista de contribuintes da UF de destino. Você pode verificar a existência do contribuinte no site do Sintegra;
  3. O serviço de transporte é considerado para consumidor final quando o tomador não for realizar mais nenhuma prestação subsequente que gere imposto.
RNTRC 100% digital

Emita CTe online, MDFe e CIOT em segundos, praticamente no automático, de onde você estiver. 

Quais tipos de recolhimento podem ser feitos pela GNRE?

Abaixo selecionamos a lista de receitas que podem ser recolhidas através da emissão da Guia Nacional de Recolhimento de Tributos Estaduais (GNRE). 

Caso o remetente não informe o cálculo da partilha do ICMS na Nota Fiscal Eletrônica (NFe), correrá os riscos de sofrer multas e outras punições por sonegação fiscal.

  • Código 10001-3 – ICMS Comunicação 
  • Código 10002-1 – ICMS Energia Elétrica 
  • Código 10003-0 – ICMS Transporte 
  • Código 10004-8 – ICMS Substituição Tributária por Apuração
  • Código 10005-6 – ICMS Importação 
  • Código 10006-4 – ICMS Autuação Fiscal 
  • Código 10007-2 – ICMS Parcelamento 
  • Código 15001-0 – ICMS Dívida Ativa 
  • Código 50001-1 – Multa p/infração à obrigação acessória 
  • Código 60001-6 – Taxa
  • Código 10008-0 – ICMS recolhimentos especiais 
  • Código 10009-9 – ICMS Substituição Tributária por Operação
  • Código 10010-2 – ICMS Consumidor Final não contribuinte outra UF por Operação 
  • Código 10011-0 – ICMS Consumidor Final não contribuinte outra UF por Apuração 
  • Código 10012-9 – ICMS Fundo Estadual de Combate à Pobreza por Operação
  • Código 10013-7 – ICMS Fundo Estadual de Combate à Pobreza por Apuração 
  • Código 10014-5 – ICMS DeSTDA 

Como emitir a GNRE 

Veja o passo a passo para emitir a Guia Nacional de Recolhimento de Tributos Estaduais (GNRE) manualmente: 

Passo 1: Acessar o Portal GNRE

Acesse o  Portal GNRE. Quase todos os estados podem gerar ou consultar a Guia neste site do governo de Pernambuco, com exceção dos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo.

Você pode gerar uma guia individual ou em lote. No caso de lote, é preciso enviar o arquivo XML e aguardar o processamento.

  • Para gerar GNRE-SP: acesse a plataforma online do estado paulista;
  • Para gerar GNRE-RJ: acesse o Portal de Pagamentos, no site da SEFAZ-RJ;
  • Para gerar GNRE-ES: utilize o DUA, sistema próprio do estado para a emissão do Pagamento Único de Arrecadação (DUA) – que inclui a emissão da GNRE. 

Passo 2: Preencha as informações solicitadas

Informe os dados solicitados na tela com atenção, pois em caso de erros, não é possível cancelar a GNRE. 

Se isso acontecer, você poderá emitir uma nova GNRE com dados corretos e deixar que a anterior, com erros, expire e seja cancelada automaticamente pelo sistema.

Os dados solicitados, normalmente são estes:

  • Tipo da guia;
  • Estado de destino;
  • Informações do contribuinte;
  • Valores envolvidos;
  • Receita;
  • Data de vencimento;
  • Data de pagamento.

Passo 3: Solicite a validação

Os dados informados passarão por uma validação do sistema antes que a GNRE seja efetivamente emitida. Caso alguma inconsistência seja verificada, aparecerá uma mensagem de erro na tela. Se tudo estiver correto, o próximo passo é a emissão da guia.

Passo 4: Imprima e pague a GNRE

Após gerar a guia, imprima o documento e realize o pagamento da GNRE. Feito o pagamento, imprima também o comprovante e anexe tudo às Notas Fiscais (DANFE’s) das mercadorias que serão transportadas.

Automatize a emissão de GNRE para sua transportadora

Você pode realizar todos os processos que viu neste artigo manualmente, com o cuidado de calcular os impostos corretamente para evitar multas e outras penalidades. Ou, pode ganhar tempo e segurança optando por automatizar a emissão de GNRE através dessa nova funcionalidade do SimplesCTe.

Veja algumas vantagens:

  1. Mais segurança: software de última geração que utiliza dados criptografados que nunca expõem as operações da sua empresa; 
  2. Mais agilidade: integração com os bancos de dados de todas as UF’s, permitindo a emissão de GNRE com cálculos automáticos, rapidez e sem imprevistos;
  3. Mais simplicidade: aumente a produtividade da sua empresa, esqueça falhas e perdas de tempo com procedimentos manuais e cansativos.  

Conte com um software inteligente que realiza as tarefas burocráticas e o cálculos de impostos no automático, pra você emitir CTe e liberar o veiculo em segundosClique aqui e peça um teste gratuito do SimplesCTe.

E então, tudo certo sobre Guia Nacional de Recolhimento de Tributos Estaduais (GNRE)? 

Se ficou com alguma dúvida, deixe um comentário! Se este artigo foi útil para você, considere compartilhar com seus amigos ou inscreva-se na newsletter gratuita logo abaixo!

 

Gostou desse artigo?
Inscreva-se gratuitamente e receba novos conteúdos em primeira mão!

 

Deixe uma resposta